Notícias

Em reunião com governo, Plataforma cobra participação na regulamentação da nova lei das ONGs

Rio, 13 de março de 2015
A Plataforma por um Novo Marco Regulatório para as Organizações da Sociedade Civil reuniu-se no final do mês passado com a equipe da Secretaria-Geral da Presidência da República, principal interlocutor das organizações dentro do governo federal. As entidades reafirmaram a disposição para manter o diálogo com a secretaria e cobraram espaço para participação no processo de regulamentação da lei 13.019/2014, que cria novas formas de contratualização entre as OSCs e o Estado.
A reunião, que aconteceu no Palácio do Planalto, em Brasília (DF), foi o primeiro diálogo oficial da Plataforma com a SGPR após a posse do ministro Miguel Rossetto, que substituiu Gilberto Carvalho na pasta no segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff.
A diretora executiva da Abong Vera Masagão fez um resgate do processo de construção da lei 13.019 e destacou que ela aponta para a implantação de uma visão moderna do que é sociedade civil. “As organizações são também vozes da sociedade, que se expressam na defesa de direitos, de mulheres, negros/as, homossexuais, questão da terra e outros temas. Trabalhamos pela construção de uma esfera pública ampliada que reconheça esses atores”, afirmou. “A agenda prioritária é conseguir um engajamento maior da sociedade, conseguir mostrar que são organizações da sociedade, não atreladas a governos”, defendeu.
Silvio Rocha Sant’Ana, diretor presidente da Fundação Grupo Esquel Brasil, lembrou a relação de confiança construída entre a SGPR e a Plataforma e ressaltou a importância de um processo de formação para gestores públicos e OSCs sobre a nova legislação. “A lei 13.019 abre um caminho novo para a gente trilhar. Mas existe um desconhecimento muito grande sobre ela. Seria fundamental fazer trabalho de disseminação e qualificação tanto de agentes públicos quanto das organizações para essa nova forma de relacionamento. Inclusive para as áreas do governo federal, em que existe toda uma cultura antiga que resiste a essas mudanças”, afirmou.
Laudemir Müller, secretário executivo da SGPR, destacou a importância do tema tanto para a ampliação e reconhecimento da participação social quanto para a promoção de políticas públicas efetivas pelo Estado. “O tema do marco regulatório é fundamental de um lado para a capacidade de organização do povo, de suas entidades e movimentos. Mas também para fazer chegar lá na base as políticas do Estado”, disse.
Robson Almeida, chefe de gabinete da secretaria, garantiu que haverá abertura para participação da Plataforma na regulamentação e em outros momentos. “O espírito público de parceria entre a secretaria e a Plataforma, com respeito à autonomia das partes, vai continuar no processo de regulamentação”, afirmou.
Comitê Facilitador
O Comitê Facilitador da Plataforma esteve reunido pela primeira vez este ano entre quinta e sexta-feira, também em Brasília. O encontro discutiu os objetivos e estratégias da Plataforma para o próximo período, buscando novos avanços na agenda do Marco Regulatório.
Foi feita uma avaliação da nova conjuntura política tanto no governo federal quanto no Congresso. Com base nessa leitura, o CF decidiu agir para ampliar sua atuação de incidência política tanto no Legislativo quanto no Executivo, além de buscar maior engajamento das entidades signatárias da Plataforma.

Autor

Martha Moreira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »