Rio de Janeiro, 21/05/2014

Ibase apóia religiões de matrizes africanas
Por Ibase

O Ibase, como uma organização não confessional e comprometida com a luta pela radicalização da democracia, repudia a decisão da Justiça Federal do Rio de Janeiro que negou o pedido de remoção de vídeos de cultos evangélicos do site YouTube com mensagens de intolerância e discriminação contra práticas religiosas de umbanda e candomblé.
O despacho foi feito pelo juiz da 17ª Vara Federal Eugênio Rosa que justificou sua decisão com o argumento de que “manifestações religiosas afro-brasileiros não se constituem religião”.
Entendemos que as manifestações religiosas de matrizes africanas são religião e que a liberdade de culto é uma expressão da democracia, que deve ser respeitada. O Ibase se solidariza com as entidades que também repudiam a decisão da Justiça Federal, como a Koinonia – Presença Ecumênica e Serviço que também divulgou uma nota.

Autor

Martha Moreira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »