Rio de Janeiro, 21/05/2014

Dossiê sobre projeto Minas-Rio, do Ibase, é apresentado no III ENA, em Juazeiro
Por Camila Nobrega
Enviada especial à Juazeiro, Bahia

As graves violações de direitos humanos e a degradação ambiental que estão ocorrendo no município de São João da Barra (RJ), parte do projeto Minas-Rio estiveram entre os destaques do I Encontro Nacional de Agroecologia, que está acontecendo na cidade de Juazeiro da Bahia. O dossiê “O projeto Minas-Rio e seus impactos ambientais”, produzido por diversas organizações, entre elas o Ibase, a Associação de Geógrafos Brasileiros, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Universidade Federal Fluminense (UFF), foi apresentado no evento, que reúne mais de duas mil pessoas, em sua maioria agricultores, técnicos e pesquisadores de todo o Brasil. Além disso, foi apresentada também a metodologia de Intercâmbios de Resistências, que deu a oportunidade de que as populações afetadas por este grande processo se conhecessem e passassem a atuar em rede, além de possibilitar o amplo levantamento que deu origem ao dossiê.
Noêmia Magalhães, representante dos agricultores da região, participou do seminário “Conflitos e injustiça socioambiental”, que se transformou em uma intensa troca de informações entre pessoas afetadas por grandes projetos brasileiros, especialmente de mineração e do agronegócio, que expulsam populações tradicionais e promovem sérios impactos ambientais com aval do Estado brasileiro, que tem atuado principalmente em prol do capital, em detrimento das populações e sua identidade territorial.
“Os agricultores da região de São João da Barra cultivavam o alimento para várias regiões do Brasil, para todos nós. Um dia, veio o Porto do Açu, tirou a terra, tirou os direitos, salinizou o solo. São cinco anos de muita tristeza, mas também de um povo que aprendeu a lutar e que resiste”. Noêmia Magalhães.”
Ao lado dela, Eduardo Barcelos, da Associação de Geógrafos do Brasil, que acompanha o conflito de perto e foi um dos coordenadores do dossiê, deu o tom da situação no local. Ele mostrou mapas e lembrou que o mineroduto construído pelo projeto Minas-Rio tem 525 quilômetros, passando por 32 cidades, em Minas e no Rio. Só em São João da Barra, 7.200 hectares foram desapropriados por um decreto, que tirou a casa e a terra de centenas de agricultores, muitos deles sem indenização até o momento.
“Houve salinização das terras, destruição da dinâmica territorial e dos modos de vida da população”
O vídeo “Projeto Minas-Rio: uma história de violações”, produzido pelo Ibase, em parceria com as instituições que deram origem ao dossiê, conta a história do conflito.

Autor

Martha Moreira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »