3/2/2014
O Estado do Rio de Janeiro tem a maior concentração de áreas protegidas do bioma Mata Atlântica do Brasil. No entanto, grande parte de tais áreas está fragmentada e sofre forte pressão decorrente do desenvolvimento econômico e do padrão de ocupação e uso da terra.  O projeto Mosaicos da Mata Atlântica – Apoio à Gestão Integrada de Mosaicos de Áreas Protegidas e Fortalecimento da Sociobiodiversidade da Mata Atlântica – desenvolvido e executado pelo Ibase e sob a responsabilidade da Superintendência de Educação Ambiental da Secretaria do Ambiente/RJ, tem como objetivo fortalecer a gestão integrada e participativa dos mosaicos de unidades de conservação existentes no estado do Rio de Janeiro: Carioca, Central Fluminense, Bocaina, Mantiqueira e Mico-Leão-Dourado. O projeto tem ênfase no fortalecimento da gestão dos Mosaicos Carioca e Central Fluminense, além da criação de estratégias jurídicas institucionais que garantam a sustentabilidade de todos os Mosaicos de Áreas Protegidas de Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro. Entre as suas linhas de ação, a meta de sustentabilidade dos mosaicos de áreas protegidas busca criar, por meio de um grupo de trabalho, estratégias estruturais e outras focadas em projetos que assegurem a viabilidade das secretarias executivas. Estas, diante da precariedade de recursos financeiros, enfrentam fortes dificuldades para garantir o funcionamento ativo e participativo dos mosaicos.


Uma boa notícia para este grupo de trabalho do projeto, que se reúne desde setembro de 2013, em um alto nível de reflexão e proposição: a obtenção de R$ 1,5 milhão, por emenda parlamentar e via Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) –  responsável pela iniciativa de buscar o apoio parlamentar para a estruturação dos mosaicos – que serão divididos em 2014 entre os cinco mosaicos do estado. Saiba mais aqui.

Autor

Martha Moreira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »