O acesso cada vez maior de jovens de periferia às novas tecnologias de comunicação tem sido determinante para as atuais formas de mobilização social nessas regiões. Uma pesquisa do Ibase que será lançada na próxima sexta-feira, dia 7, revela que jovens de camadas populares ampliaram suas vozes com a internet, por meio de redes sociais, sites e blogs. O resultado deste estudo será apresentado no IFRJ (Instituto Federal do Rio de Janeiro), durante o seminário “Comunicação e juventudes em movimento: novas tecnologias, territórios e desigualdades”. O evento terá transmissão ao vivo pelo link http://www.ustream.tv/channel/caxias-tv e acontece hoje e amanhã, nos dias 7 e 8.
Intitulada “Jovens pobres e o uso das novas tecnologias de informação e comunicação na criação de novas esferas públicas democráticas”, a pesquisa foi coordenada pelo Ibase (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas) e financiada pelo IRDC (Centro de Pesquisas para o Desenvolvimento, do Canadá). E foi realizada a partir de três estudos de caso. O primeiro, sobre o uso das novas tecnologias entre jovens que trabalham com cultura em municípios da Baixada Fluminense. O segundo tratava do uso das novas tecnologias entre mulheres jovens envolvidas em movimentos sociais, como o da Marcha das Vadias do Rio de Janeiro. E, por último, de que forma jovens moradores de favelas do Rio vêm fazendo tal uso para tornar visível sua identidade, denunciando problemas sociais e reivindicando melhores condições de vida.
Neste aspecto, especificamente, o objetivo do estudo foi mostrar como as novas tecnologias, como vídeos, gravações de clipes, sessões de cineclube e blogs, entre outras, ajudam na mobilização da sociedade e na reivindicação de direitos. O cyberativismo se revela, em alguns casos, como aliado da comunicação comunitária e pode fortalecer as outras mídias tradicionais que já eram usadas por moradores de áreas populares com esses objetivos. Um bom exemplo disso é a experiência do jornal comunitário O Cidadão, da Maré, que ganhou versão online através de um blog.
– Um dos pontos importantes é mostrar que, mesmo considerando desigualdades no acesso, estes jovens têm usado novas tecnologias para mobilizar e tornar visíveis seus pontos de vista como militantes e ativistas – ressalta Patrícia Lânes, que coordenou a pesquisa. A equipe também contou com as cientistas sociais Marina Ribeiro e Julia Zanetti.
No caso da cultura da Baixada Fluminense, destacam-se o movimento Enraizados e os cineclubes Mate com Angu e Buraco do Getúlio, que utilizam diversos equipamentos para produzir e divulgar filmes através de sessões presenciais e online. No caso das mulheres jovens, destaca-se o uso feito das redes sociais por grupos e organizações como a Camtra-Casa da Mulher Trabalhadora e a Estimativa, além das experiências de radioweb como RoquePense e Donas da Arte. No estudo de caso sobre favelas, pode se destacar a experiência de blogs individuais como os dos fotógrafos Maycom Brum, Francisco Valdean (O Cotidiano) e Thamyra Thamara ((In)Visíveis), além dos sites que funcionam através da figura dos correspondentes comunitários (caso do Viva Favela, Correspondentes da Paz e Voz das Comunidades).
– A fotografia e o vídeo têm um lugar central na produção de conteúdo tanto para blogs e sites quanto para redes sociais, o que se tornou possível graças à popularização de celulares e máquinas digitais. Através dessas imagens e narrativas, esses jovens contribuem para criar novas imagens sobre o lugar onde vivem e sua experiência como mulheres ou moradores de áreas populares, buscando superar fortes estigmas sociais frequentemente reforçados – explica a antropóloga.
 
SERVIÇO:
Seminário “Comunicação e Juventudes em Movimento: novas tecnologias, territórios e desigualdades”: durante o evento, haverá o lançamento da pesquisa “Jovens pobres e o uso das NTICs na criação de novas esferas públicas democráticas” (IBASE, IDRC)
Data: 7 e 8 de junho (sexta-feira e sábado)
Local: Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) – Rua Senador Furtado 121/125 – Maracanã
Próximo à Estação São Cristóvão do metrô e do trem
Evento gratuito (não é necessário fazer inscrição)
PROGRAMAÇÃO:

7 de junho (sexta-feira)
17h30 – “Poesia Rima com Vadia” – Poesia Ativista e Tecnologia como instrumentos de transformação social (Marcha das Vadias – RJ)
18h – Mesa 1: Juventudes, desigualdades e o uso das NTICs para mobilização social
Patrícia Lânes – representante da pesquisa IBASE
Francisco Valdean – fotógrafo do Imagens do Povo e blogueiro de O Cotidiano
Elisa Guaraná de Castro – responsável pelo Participatório da Secretaria Nacional de Juventude
Rafucko – videomaker e humorista
LeonardoName – doutor em Geografia e professor da PUC-Rio
20h – Sessão de curtas 1
20h30 – Roda de Funk e HipHop com MC Átomo, MC Lisa Castro, MC Lidi, Mana Beat e RepperFiell + Lançamento da publicação “Comunicação e juventudes em movimento: novas tecnologias, territórios e desigualdades” (Ibase, IDRC)
8 de junho (sábado)
9h – Sessão de curtas 2
9h30 – Mesa 2 – Liberdade e acesso à Internet: possibilidades e limites da rede
Julia Zanetti – representante da pesquisa IBASE
Lidi de Oliveira – participante do Núcleo de Jovens da Casa da Mulher Trabalhadora (Camtra)
Franklin Dias Coelho – Secretário Especial de Ciência e Tecnologia do Município do Rio de Janeiro
Cristiano Cezar de O. Passos – Diretor de Articulação e Formação da Secretaria de Inclusão Digital do Ministério das Comunicações
Pamella Passos – Doutora em História e professora do IFRJ
14h – Sessão de curtas 3
15h – Mesa 3 – Outros olhares sobre militância eNTICs: para além do”ativismo de sofá”
Marina Ribeiro – representante da pesquisa IBASE
Pedro Markun – coletivo Transparência Hacker
Marcio Bertoni – Cineclube Mate com Angu
Ana Lucia Enne – doutora em Antropologia e professora de Estudos de Mídia e da Pós-Graduação de Cultura e Territorialidades da UFF
17h30 – Peça teatral “A viagem da Vila Cruzeiro à Canaã de Ipanema numa página do Facebook”, do grupo Teatro da Laje
Exposições fotográficas em múltiplas mídias com Carolina Meirelles, Francisco Valdean, Maycom Brum e Thamyra Thâmara
Exibição de curtas e clipes de Enraizados, Estimativa, Buraco do Getúlio, Mate com Angu, Raízes em Movimento, ReFem e RepperFiell
Mais informações:
Mariana Claudino
mclaudino@ibase.br
(21) 8133-3192

Autor

Martha Moreira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »