Notícias

Ibase lança estudo que avalia políticas sociais do governo PT

Embora representem avanços consideráveis, especialmente no que diz respeito à segurança alimentar, ao fortalecimento da agricultura familiar e à redução da pobreza, os programas sociais executados durante as administrações petistas ainda se defrontam com dificuldades para chegar aos mais pobres entre os pobres. Essas foram as principais conclusões de um estudo lançado pelo Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas.
Na publicação “Da estratégia ‘Fome Zero’ ao plano ‘Brasil Sem Miséria’: Elementos da seguridade social no Brasil”, os pesquisadores Francisco Menezes, do Ibase e da Action Aid, e Mariana Santarelli avaliaram a trajetória das principais políticas sociais que marcaram os 10 anos do PT no poder.
Lançado em 2003, no início do mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Fome Zero foi apontado como a primeira reação governamental consistente frente à situação de descaso com o problema da fome. Depois dele, vieram os programas Bolsa Família e Brasil sem Miséria, que atuaram no combate à pobreza e à pobreza extrema por meio da transferência de renda. Entre seus legados está a criação de um Cadastro Único nacional para integrar as políticas sociais brasileiras.
Segundo o estudo, essas ações são indícios de que o país está trilhando um caminho na ampliação de direitos e cidadania. Mas os desafios ainda são grandes. As estratégias que buscam integrar as pessoas em situação de extrema pobreza ao mercado de trabalho, por exemplo, não têm surtido resultados muito expressivos.
A publicação contou com o apoio da Itaipu Binacional. Para acessá-la na íntegra, clique aqui.

Autor

Martha Moreira

Comentário 1

  1. Nelia Vera Taimo
    22 de fevereiro de 2013 Responder

    Sou sociologa, brasileira e trabalho há 25 como consultora em desenvolvimento social em Moçambique e nos últimos anos tenho feito muito trabalho na área de proteção social atraves de transferencia de rend. Por esta razão o estudo tem muito interesse para mim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »