Na segunda-feira, dia 17 de dezembro, toda a equipe do Ibase se reuniu no Colégio Assunção, em Santa Teresa, no centro do Rio de Janeiro, para uma reunião de avaliação e continuidade da Plataforma Ibase 2012. A Plataforma aconteceu no final de outubro em Vassouras (RJ) e reuniu parceiros e intelectuais de vários países. Antes dela, outras duas reuniões preparatórias já tinham sido realizadas, também com toda a equipe da instituição. O Ibase não pretende parar: espaços de diálogo tanto sobre questões internas quanto sobre macro questões têm sido abertos.
Na reunião desta semana, a equipe se dividiu em grupos para discutir o que o Ibase fez para fortalecer a cidadania em 2012 e quais são as fraquezas e riscos para o ano que se inicia. O trabalho do Morar Carioca Cidadania Ativa, que é a ação do Ibase dentro do programa de urbanização da Prefeitura do Rio, foi bastante discutido como forma de contribuição para o fortalecimento da cidadania. A confiabilidade com que o Ibase foi recebido nos territórios de atuação do programa permitiu garantir uma mobilização local para que os moradores de favelas cariocas possam opinar sobre as transformações urbanísticas que serão feitas nos seus locais de moradia.
Da mesma forma, a criação e ampliação de redes de parceria foi um grande avanço da instituição em 2012, e aconteceu em diversas áreas de atuação do Ibase. A equipe da área de Juventude destacou a Campanha “Sou jovem e tenho direitos” e as parcerias feitas com outras instituições da cidade que trabalham com o tema, como a Camtra e o Cedaps. Por outro lado, a dificuldade de se estabelecer uma parceria com o Estado, em seus diferentes níveis de governo, foi apontada por algumas pessoas. Não se tratando apenas de parceria financeira, mas também em outros âmbitos.
Próximos passos
Reunida novamente em plenária, a equipe decidiu organizar em 2013 um seminário que dê continuidade à discussão dos pontos mais importantes para a instituição. Uma comissão de quatro representantes foi montada e ficará responsável por propor a melhor dinâmica para realização da troca, que deve acontecer até abril do próximo ano. Também serão realizadas, no início de 2013, reuniões para rediscutir o papel da comunicação, bem como as fragilidades de estabelecer parcerias de financiamento com alguns órgãos, públicos ou privados.
O Ibase está aberto ao debate. A instituição está se reconstruindo, combinando o velho e o novo, a partir do diálogo entre as gerações que atualmente a compõem. A expectativa, que fica bem clara no encontro desta semana, é que o Ibase consiga reafirmar a importância de sua atuação no âmbito nacional, não só pelo seu trabalho histórico em favor da ampliação da cidadania no país, mas pelo que ainda tem feito nos dias de hoje, sempre com o objetivo de radicalizar a democracia.

Autor

Martha Moreira

Comentário 1

  1. Raul Silva
    4 de janeiro de 2013 Responder

    Sou apenas um cidadão comum, ultimamente bastante desarticulado, mas o respeito que passei a ter por esta instituição deriva do que vi no trabalho do Betinho, que há exatos vinte anos entusiasmava corações pelo Brasil afora com sua indignação cívica, seminal. E eu, no sindicato em que trabalhava, também acabei me envolvendo. Boa sorte para todos.
    AQUELE ABRAÇO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »