Eric Andriolo
do Observatório do Pré-sal

A caixa preta que se tornou o Novo Código da Mineração deu o tom do conversatório “Novo marco da mineração”, que reuniu na última segunda (3), no Ibase, representantes da sociedade civil e entidades do setor. A falta de transparência no processo de criação do documento, especialmente por suscitar dúvidas em relação aos interesses do governo federal no tema, foi criticada.
“Que política mineral haverá neste documento? Não se sabe!”, observou Francisco Fernandes, do Centro de Tecnologia Mineral.
No entanto, para o ex-secretário de Geologia e Mineração do Ministério de Minas e Energia, Cláudio Scliar, esta crítica não se aplica, pois o documento está sob sigilo por ainda estar tramitando e, por isso, não pode ser levado à público.
Embora reconheça a necessidade de haver um novo marco legal para o setor, a geóloga e ex-assessora da Secretaria de Geologia e Mineração, Maria Amélia Enríquez, afirma que o documento peca por focar apenas na arrecadação de fundos. “O novo Marco é necessário porque o regulamento vigente está ultrapassado e possui muitas fragilidades que têm levado a mudanças constitucionais. Mas não estabelece a mineração como assunto estratégico e se concentra apenas na arrecadação de fundos. O documento teria que dar atenção à governança pública, à necessidade de agregar valor aos bens minerais e à sustentabilidade no processo de exploração”, alertou.
Apesar de o desenvolvimento sustentável ter sido anunciado como parte da elaboração do Marco, ficou claro, durante a conversa, que a preocupação do governo federal é a de otimizar a arrecadação de recursos com o novo documento, que estabelece um sistema de royalties variando as alíquotas de acordo com o tipo de material extraído. “É uma questão do papel econômico do recurso”, afirmou Scliar.
A preocupação da sociedade civil, pesquisadores e movimento sociais é que, com a ênfase na arrecadação de recursos, o Novo Código deixe de lado os impactos em terras de comunidades tradicionais, camponesas e indígenas que têm subsolo rico e que, por isso, são frequentemente atingidas pelos impactos da indústria extrativista.
Ao se posicionar em defesa do governo federal, Scliar deixou claro que a questão das terras indígenas não está incluída no Marco Regulatório porque o Ministério de Minas e Energia entende que a legislação brasileira já considera ilegal toda exploração de recursos naturais em territórios indígenas.
“Nenhum dos países latino-americanos está implementando sua legislação indígena”, rebateu Carlos Monge, antropólogo peruano e historiador do Revenue Watch Institute, que chamou atenção também para as questões territoriais e os direitos dos trabalhadores.
Embora o debate tenha suscitado polêmica, houve consenso em torno da necessidade de se discutir o tema neste momento. A diretora do Ibase, Moema Miranda, resumiu a importância do diálogo: “É claro que existem questões específicas, questões técnicas, mas acho que isso não justifica, num Brasil democrático, não termos acesso a uma versão da proposta que está sendo discutida”. Moema também classificou o sigilo sobre o Novo Marco como “constrangedor”, e advertiu que a ausência de debate favorece certos grupos de interesse.
“O aparelhamento dos grandes grupos do setor privado é muito maior que o da sociedade civil organizada, então a ausência do debate público, na verdade, favorece os mesmos grupos de interesse que talvez até esse novo marco esteja tentando limitar”, concluiu.

Autor

Martha Moreira

Comentários 3

  1. JOSE RIBAMAR
    15 de dezembro de 2012 Responder

    As discussões de gabinete do Novo Marco de Mineração estão sendo norteadas por visão puramente simplista, arrecadatória e predatória dos recursos minerais, reproduzindo tão-somente o marco regulatório do petróleo naquilo que tem de pior, visando consolidar o modelo primário-exportador com reflexo na exclusão da população de oportunidades de ascensão social e da renda produzida.

  2. Lourival
    23 de dezembro de 2012 Responder

    Moema bom dia. Há muito participo de atividades sociais sindicais ambientais e questões do patrimonio imaterial na mineração. Faço parte do Ibeids – Instituto Brsileiro de Educação integração e Desenvolvimento Social( ong/oscip) a partir de MG. Nasci em Itabira e participo há muito deste segredo chamado mineração que além de arrancar as rochas do sub solo e vendê-las bem baratinho, arranca também a saude dos trabalhadores e a paz das comunidades circunvizinhas. Antes do Ibase tomar uma decisão proponho ouvir um coletivo de representantes dos movimentos e entidades sociais existentes nas cidades mineradas a nivel nacional. Sindicatos, associações comunitárias, ambientalistas, cooperativas, estudiosos, mestres, artesões,artistas e militantes etc. ( 031 – 94819479 )

  3. Gwerson Santos
    27 de dezembro de 2012 Responder

    A quem interessa esse silêncio anti-republicano?
    Estar claro e notório que o então “novo” marco regulatório da mineração já tem seu pré-natal conflituoso, pois nasce doação pré-destinado a pais “adotivos” (os mesmos exploradores de sempre) e relega aos pais naturais (o povo) o direito ao seu acesso. Que vergonha!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »