Notícias

Próximo de ser votado, novo Código Florestal é criticado no Fórum Social

texto originalmente publicado no site da Rede Brasil Atual
Previsto para ser votado no começo de março, o Código Florestal foi um dos temas discutidos no Fórum Social Temático, evento ligado ao Fórum Social Mundial, que ocorre em Porto Alegre nesta semana. As entidades presentes na discussão que foi organizada pelo Comitê Brasil em Defesa das Florestas pedem que a presidenta Dilma Rousseff vete o projeto que confere mudanças à legislação ambiental brasileira. Dilma participou do fórum na última quinta-feira (26).


Entidades presentes na discussão pedem que a presidenta vete o projeto que
confere mudanças à legislação ambiental brasileira (Foto: Valter Campanato/ABr)

A proposta de um novo Código Florestal foi aprovada na Câmara dos Deputados, em maio de 2011, com itens polêmicos que foram considerados como medidas ruralistas, por favorecer principalmente a grandes produtores. Em dezembro, foi a vez dos senadores votarem o projeto. Para ambientalistas, apesar de mudanças nas partes mais polêmicas, a proposta como um todo ainda representa retrocesso em se tratando de proteção ambiental.
No debate, Pedro Torres, coordenador da Campanha de Clima e Energia do Greenpeace, afirmou que a sociedade precisa dialogar de maneira mais livre, pois, sem debate, não adianta se ter fóruns sociais ou conferências sobre desenvolvimento sustentável. “Muitos movimentos e organizações estão presos a agendas impostas pelas grandes empresas. Temos que ter a liberdade de criticar essas empresas, de criticar os governos que são poluentes. Se não, não adianta ter Rio+20 e Fórum Social”, enfatizou.
A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva disse que o país vive um momento de grande retrocesso na questão ambiental, com ameaças às terras indígenas, às unidades de conservação, ao poder de fiscalização do Ibama, e ao Código Florestal. Marina cobrou uma postura coerente de Dilma e chamou o povo a agir. “Não estamos contra Dilma, estamos a favor do Brasil”, completou.
Nilo D’Ávila, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace, também se posicionou a favor de manifestações populares que cobram o veto. “Agora é a hora de irmos para as ruas cobrar da presidenta suas promessas de campanha de não aceitar anistia ou aumento de desmatamento na alteração do Código Florestal. É a hora de exigir o Veta, Dilma.”
Este ano, o Fórum Social Temático discute temas ligados ao desenvolvimento sustentável, à preservação do meio ambiente e à defesa dos direitos humanos. Parte dos debates será concentrada na formulação de alternativas a serem apresentadas na Rio+20, a conferência da Organização das Nações Unidas sobre desenvolvimento sustentável, em julho.

Autor

Martha Moreira

Comentários 2

  1. Maria de fatima
    14 de março de 2012 Responder

    Produtor rural necessita de preços para seus produtos, de mecanismos de comercialização, necessita de infra-estrutura para armazenamento, entre outros e não de redução de Apps ou de áreas de reserva legal. Não é com a flexibilização das leis ambientais que vamos garantir um desenvolvimento contínuo.

  2. Idelson Batista Ribeiro
    17 de maio de 2012 Responder

    a verdadeira proteção,está na educação ambiental,precisa investir em ensinamentos para mexer na consciencia das pessoas,dando exemplos praticos,para que elas mudem a mentali
    dade.não basta mudar leis ou aplicar puniçoes severas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »