Por Herivelto Quaresma
texto originalmente publicado na revista Consciência.net
 
Um movimento com diversos artistas, entre produtores, atores e cineastas, se uniu na luta contra a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Segundo o manifesto, que está pedindo apoio de todos os brasileiros, o objetivo é “evitar mais um desastre ambiental de proporções gigantescas”.
“Pedimos vossa atenção para ouvir os argumentos da população do Xingu, dos ambientalistas, técnicos e cientistas verdadeiramente empenhados em achar soluções para o desenvolvimento sustentável do Brasil”, afirma o documento, endereçado à presidenta Dilma Rousseff e ao presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT/RS).

O manifesto, que já tem entre os seus apoiadores Bruno Mazzeo e Cissa Guimarães, denuncia os “discursos ambientalistas de palanque” do governo federal, pedindo o “avanço na direção de uma discussão verdadeira em prol de políticas alternativas de geração de energia sustentável”, capazes de gerar a “energia necessária ao desenvolvimento do país, sem arruinar um ecossistema dessa magnitude.”
O pedido é pela interrupção imediata das obras de Belo Monte e a abertura de um amplo debate, de modo a convocar os brasileiros a “refletir e a opinar sobre qual modelo de progresso estão dispostos a perseguir, cientes das consequências de suas escolhas.”
O movimento, denominado Gota D’Água, possui um site e perfis nas principais redes sociais: www.movimentogotadagua.com.br
Além dos artistas, a iniciativa conta com a parceria do principal movimento de resistência comunitária, o Xingu Vivo, e do Movimento Humanos Direitos, que possui entre seus membros Camila Pitanga, Chico Diaz, Dira Paes, Letícia Sabatella, Marcos Winter, Osmar Prado e Wagner Moura, entre outros.
Acompanhe um dos vídeos promocionais da campanha pela ampliação do debate sobre a Usina Belo Monte e o manifesto na íntegra clicando aqui.
A campanha já conta até com o apoio do humorista Paulo Gustavo (@paulogustavo31), que utiliza sua personagem da série “Absurdos” para ironizar a construção da hidrelétrica:

Autor

Martha Moreira

Comentários 2

  1. Caco Baptista
    21 de novembro de 2011 Responder

    é até engraçado ler vocês escreverem que Cissa Guimarães e Bruno Mazzeo denunciam “discursos ambientalistas de palanque” do governo federal. E os discursos deles e dos outros artistas são o que? Eles são profundos e reconhecidos lutadores do ambientalismo brasileiro? Desde quando? Desde quando ambientalistas utilizam picapes urbanas 4X4 com potêncioa desmedidamente superior a necessidade do uso urbano (e, por consequência, com um desperdício de combustível que sobrecarrega o planeta. E o vídeo esse apenas desinforma, apresenta questões complexas de maneira simplista e csó serve para confundir a população. Na verdade o apelo marqueteiro do vídeo tem o efeito de evitar a discussão racional e embasada por uma adesão midiática ao apelo emocional (e profissionalmente embalado) de celebridades sem nenhum histórico de militância (à exceção da Sabatella, que já disse muita barbaridade quando estava contra a transposição do São Francisco). E o vídeo ainda é cópia de material estrangeiro (vamos copiar o que mais deles, talvez o Sting e o Cameron?). E cópia tão fiel e sem luz própria que manteve até o dispensável e lamentável faz de conta que tira o sutiã da Maitê Proença. Vamos discutir sério, mas não me venham com artistas bem produzidos e humoristas engraçadinhos para me cobrar uma discussão verdadeira.

  2. dilesia marcansoni
    21 de novembro de 2011 Responder

    parabéns pela iniciativa , de lutar pelos desmando do capitalismo destruindo a natureza e os povos indiginas de bilo monte,quando muitos paises descobrem e investe en energia renovavel,com o vento o brasil insiste nas hidreletricas que causas granes destruição da natureza gritar sempre e bom,juntos somos muitos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tradução »